sound byJbgmusic

Últimas Notícias

Apometria não é Espiritismo, isto é uma verdade. 

No entanto, os contestadores da Apometria  depreciam – na, sem possuírem os conhecimentos devidos , apesar de muitas das suas técnicas e conceitos , encontrarem- se embasados em diversas obras espíritas , como as obras de André Luiz e também em inúmeros clássicos da doutrina Espírita.

O que é  espiritismo?  Allan  Kardec no opúsculo, “ O que é o Espiritismo”  afirma :  “ O Espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os espíritos; como filosofia, compreende todas as consequências morais que dimanam dessas mesmas relações. Podemos defini-lo assim: O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal”.

O que é Apometria? Segundo Dr. Lacerda , no  sentido etimológico ,ou seja, segundo a origem da palavra e seu significado  , a palavra Apometria  consiste da  contração das palavras Gregas “apo”  que significa ,   “além de” com a palavra  “ metria”, que significa  “medida”, portanto  “ além da medida “.

Além das medidas do que?  Do nosso espaço e do nosso tempo, ou seja, no  atendimento espiritual pelas  técnicas da Apometria,  poderemos ultrapassar os limites do nosso espaço-tempo. Também num sentido restrito, pela  primeira lei da Apometria, é também uma técnica de desdobramento dos corpos sutis. Mas a definição mais ampla , segundo o nosso confrade, João Pedro ,da Casa do Jardim ( Associação onde Dr. Jose Lacerda desenvolveu a Apometria) está pode  definida da seguinte forma: “ Apometria é um método de trabalho, medianímico, que visa a terapêutica espiritual, energética e desobsessiva através de uma prática mental, fundamentada na Doutrina dos Espíritos e sistematizada em  treze leis” .

Pelas definições de seus criadores entendemos a relação , e as diferença entre o Espiritismo e a Apometria , pois a segunda tem toda as suas bases na doutrina dos espíritos , utilizando o magnetismo de uma forma mais pratica e efetiva, consegue os resultados , já observado pelos pioneiros do espiritismo, como  Léon Denis regista , no “ Livro No  Invisível” , onde afirma que pelo magnetismo ,   por uma vontade enérgica    e persistente, nos desprendemos  do  pesadume carnal,  nos   emancipando das  leis do tempo  e do  espaço.

Da mesma maneira que utilizamos métodos e  técnicas desobsessivas nas reuniões  mediúnicas mais clássicas , como também,  nos atendimentos através dos passes, com movimentos que vai desde imposições de mãos , a movimentos ,dos mais variáveis possíveis, segundo o método e as técnicas utilizadas. Assim também Dr. Lacerda desenvolveu algumas técnicas hoje amplamente divulgadas através de seus livros.

Da mesma forma que os passes são utilizados , por qualquer  seita ou religião, desde dos  Reformistas até os  Umbandistas , da mesma forma , as técnicas Apometricas são utilizadas ,por muitas pessoas  , sem compromissos com o seu descobridor e  Espiritismo.

Quando os neófitos Espiritas começam buscar o conhecimento doutrinário , se deparam com livros e associações de conteúdos e procedimentos duvidosos, assim também ocorre com  a Apometria . a qual  não tem escapado da má fé , do interesse pessoal para obter lucros e prestígios, deturbando o trabalho de amor realizado pelo descobridor, o qual como Espirita seguia o preceito evangélico do “ dai de graças, o que de graças recebestes”.

O falso profeta popula a doutrina espírita, escrevendo livros, fazendo “curas”, auto promoções  com ideias exóticas , outros atribuindo   mensagens  a espíritos de nomes veneráveis , mas sem conteúdo.  Assim também a Apometria, não ficou de fora deste contesto  , onde a imaginação não tem limites, para os aproveitadores,   sem compromisso com a verdade.

Vejamos como alguns espíritos veem a figura do Dr. Lacerda , tão desrespeitada por alguns, que chegaram até mesmo gozar do privilegio de sua hospedagem : Diz Maria Modesto Cravo, pelo médium Wanderley de Oliveira, “Entre vocês encanados,  Dr. Lacerda é conhecido, apenas, como o homem das técnicas;  entre nós, ele é conhecido pelo grande amor que tem pelos seus semelhantes”.

A ciência humana apresenta um prazo de validade curto, o que sabemos hoje, amanhã descobre-se que não tem peso em relação à verdade. As teorias científicas válidas para explicar determinados fenômenos hoje, são válidas até que outra mais bem elaborada tome seu lugar.

Isto vai, cada vez mais, ampliando a própria ciência, ampliando os conceitos, fazendo-nos chegar a conhecimentos imagináveis em relação à ciência humana. No campo da espiritualidade o mesmo processo ocorre. Um conhecimento tido hoje como válido, ou muito superior, amanhã poderá ser substituído por outro, e isto Kardec já afirmava: “Se algum dia a ciência provar que o Espiritismo está errado em determinado ponto, abandone este ponto, e fique com a ciência”.

Nós espíritas, devemos estar conscientes do progresso das novas informações espirituais que chegam, mas com cuidado para não substituirmos teorias ou conceitos já avançados e estabelecidos sobre base sólida, por ideias ilusórias ou imaginárias, que brotam da cabeça de um e de outro, sem embasamento, seja no campo da ciência humana, seja no campo da própria revelação da espiritualidade maior, lembrando as informações espirituais trazidas por médiuns como Chico Xavier.

Em termos de Movimento Espírita, a expansão da ideia espírita deve ser pensada de forma diferenciada. Não é conveniente imprimir ciência avançada em meio de pessoas incultas, não é conveniente levar conceitos puramente religiosos às assembleias encerradas no campo científico.

Para que o progresso se faça paulatinamente em todas as camadas da sociedade é necessário falar ao homem inculto da terra, falar da grandeza da espiritualidade usando os conceitos e ideias presentes em sua cultura objetivando explicar algo de superior, que em última instância, irá beneficiar a vida daquela comunidade em termos de evolução espiritual. Evolução que tenderá a se espalhar e beneficiar toda sociedade com o conhecimento espírita.

Para a camada da sociedade mais afim com o pensamento científico atual, seria conveniente utilizar os parâmetros da própria ciência, mostrando os pontos de ilusão, ou de práticas não tão científicas de concepção de mundo, uma vez que os sectários e dogmáticos tendem a rejeitar e anular ideias espirituais. Desta forma, caberá a nós espíritas, trazermos a ciência para o campo da espiritualidade, trabalho esse que as AMES (Associações Médicas Espíritas) vem realizando dentro de limites que infelizmente ainda são muito estreitos.

Quanto as Escolas de Aprendizes do Evangelho, alguns acreditam, de forma incoerente, que em 1951 o trabalho foi realizado e encerrado, como uma receita com começo, meio e fim. Mas o bom senso nos sugere sua adequação no tempo e para cada região geográfica, considerando a cultura local e fundamentalmente sua finalidade que é a transformação do ser materializado, tornando-nos seres mais espiritualizados. Enfim, num homem de bem, como nos chama a atenção Allan Kardec, no Evangelho Segundo o Espiritismo.

Expomos acima o pensamento de alguns amigos espirituais que têm nos orientado, os quais, semelhantemente a nós, realizam suas pesquisas, observam os Movimentos Espíritas, os trabalhos espirituais e os médiuns com o objetivo de verificação e posterior estabelecimento de parceria entre encarnados e desencarnados beneficiando a todos, do mais pequenino até o maior.

Pedro Francisco Santos Neto

Coordenador Aliança Espírita Evangélica

 

 

A nossa sociedade no século XX apresentou inúmeros avanços em todos os setores, mas cremos que o mais importante ocorreu no dia 11 de maio de 1960 quando a FDA, agência reguladora de remédios dos EUA, aprovou a primeira pílula anticoncepcional, que transformou de forma drástica os costumes, com implicações nos campos da moral, ética , sociais, políticos, religiosos, onde a liberdade sexual adquire tal proporção até então nunca visto na historia da humanidade.

E nós Espíritas como reagimos diante das mudanças destes últimos 50 anos? Qual a postura dos movimentos espíritas? E nós da Aliança? Como pensamos e sentimos tais temas como as orgias, o sadomasoquismo, a necrofilia, a pedofilia, homossexualidade, aborto e outros? 

Na vivência de entrevistador ou como dirigente de casa espírita como reagimos, ante trabalhadores e médium, que se dizem  homossexuais, ou viesse convidar para seu casamento homo afetivo? E se o discípulo viesse nos trazer a notícia, que ele iria se separar, tornando-se um celibatário para melhor servir a causa Espírita? O servidor que vem pedindo  socorro, pois é pedófilo e não consegue resistir à tentação? Outro, que vem a procura de ajuda, pois só consegue ter relações sexuais prazerosa em cemitério? Enfim, estes são alguns dos dramas reais relacionados com trabalhadores na casa espírita, os quais, nós já vivenciamos na prática como orientador e entrevistador, sem falar dos dramas de assistidos que populam os atendimentos fraternos.

O que fazer? Onde o bom senso? Onde o distúrbio psiquiátrico ou espiritual? Como os espíritos têm tratado tais assuntos?  No livro dos Espíritos na pergunta 200, Kardec questiona os espíritos: - “Os Espíritos têm sexo”? 

– Não como o entendeis, porque os sexos dependem da constituição orgânica. “Há entre eles amor e simpatia, mas baseados na afinidade de sentimentos”. 

O codificador também afirma que a mudança de sexo de uma encarnação para outra é possível, sendo assim abre- nos inúmeras questões para reflexão. 

André Luiz, em Conduta Espírita, nos ensina, que devemos "distinguir no sexo a sede de energias superiores que o Criador concede à criatura para equilibrar-lhe as atividades, sentindo-se no dever de resguardá-la contra os desvios suscetíveis de corrompê-la, portanto, os abusos tais: como as orgias, o sadomasoquismo, a necrofilia, a pedofilia e outros, são práticas que comprometem o equilíbrio, no manuseio das forças genésicas e são contrárias às leis naturais. 

Nós espíritas entendemos perfeitamente , que a sede da sexualidade está no corpo físico e entendemos, que seres equilibrados neste setor (sexualidade) poderão transitar nas múltiplas reencarnações nos dois polos sexuais sem dificuldades, mas, quando isto não ocorre, ou seja , quando nos falta o equilíbrio, que talvez ocorra na maioria dos seres, o que pode acorrer? André Luiz, esclarece no livro “No Mundo Maior”, que os enígmas do sexo não se reduzem a meros fatores fisiológicos, e acrescenta ainda, em “Evolução em Dois Mundos”, que a sede real do sexo não se acha no veículo físico, mas sim na entidade espiritual, em sua estrutura complexa.

Observem que ele fala nos “enigmas do sexo”, e não em sexo ,e enigma  segundo o dicionário Aurélio, significa  “questão proposta em termos obscuros, ambíguos, para ser interpretada ou adivinhada por alguém”. por extensão de sentido, “enunciado ambíguo ou velado”, “coisa inexplicável, aquilo que é difícil compreender; mistério”. Portanto as questões de sexo são de difíceis compreensão. No meio espírita como exemplos tivemos “celibatários” missionários como Eurípedes Barsanulfo e Chico Xavier , bem como, Bezerra Menezes, que teve dois casamentos e nove filhos.

Sabemos que o Pai criou a lei do carma para aprendermos com a dor ; que não devemos fazer ao nosso semelhante o mal ,ou seja , a dor nos ensina o que não devemos fazer ao outro, desta forma, a pessoa que sofreu uma maldade recebe uma lição ao seu espírito eterno do bem a fazer ,mas no caso da pedofilia , segundo a Organização Mundial de Saúde, se as vítimas forem sexo masculino, existe uma probabilidade maior de se tornarem agressores, podendo repetir os mesmos comportamentos a que foram sujeitos. Lembramos, também, que associado a este distúrbio, existe a obsessão espiritual como complicador, conforme narra Filomeno de Miranda no livro Sexo e Obsessão.

No livro, No Mundo Maior ,André Luiz, explica que a criatura lesada em seu equilíbrio sexual costuma entregar-se à rebelião e à loucura em síndromes espirituais de ciúme ou despeito. Daí nascem as psiconeuroses, os colapsos nervosos, as fobias numerosas, os desvios da libido, a neurose obsessiva, as psicoses e as fixações mentais diversas.

Onde o equilíbrio? O que é certo ou errado? Amigos , quantos companheiros sofrem ,por serem diferentes ,mas diferença não é o mal. O mal sim, está no coração daquele que não tem a capacidade de conviver com as diferenças , sejam quais forem. Lembramos que Jesus não disse, que os héteros ou os homos eram seus discípulos, mas sim, que seus discípulos seriam reconhecidos por muito se amarem.

Nos grupos espíritas, para conviver com as questões referentes  à sexualidade  deve ser criada uma relação sócio afetiva, livre de preconceitos e com ampla fraternidade.

Alguns dos possíveis reflexos da ausência de relações afetuosas nos grupos geram maior possibilidade de criação das máscaras emocionais , que escondem uma pseudo-harmonia, criando um ambiente para hipocrisia e  puritanismo ; também a ausência de dialogo franco, como instrumento construtor de amizade sólida, desta forma, os problemas acima relacionados, são deixados à margem .

Nos programas doutrinários de Escolas de Aprendizes do Evangelho , curso de médiuns , reciclagens e outros, devemos trabalhar para a educação do afeto, de modo que devemos conhecer os sentimentos ,adquirir o controle sobre as reações emocionais, saber conviver harmoniosamente com nossos maus sentimentos, exercitar a sensibilidade, expressar o afeto na convivência e entender, que ser diferente  é  normal, desde que esteja respeitando a lei maior a lei do AMOR.

Por fim, lembrando a assertiva de Paulo (Romanos 14:14) “Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus , que nenhuma coisa é de si mesma imunda a não ser para aquele que a tem por imunda”. 

Dr. Pedro Francisco dos Santos Neto