sound byJbgmusic

Últimas Notícias

Por Dr. Pedro Francisco

A ciência humana apresenta um prazo de validade curto, o que sabemos hoje, amanhã descobre-se que não tem peso em relação à verdade. As teorias científicas válidas para explicar determinados fenômenos hoje, são válidas até que outra mais bem elaborada tome seu lugar.

Isto vai, cada vez mais, ampliando a própria ciência, ampliando os conceitos, fazendo-nos chegar a conhecimentos imagináveis em relação à ciência humana. No campo da espiritualidade o mesmo processo ocorre. Um conhecimento tido hoje como válido, ou muito superior, amanhã poderá ser substituído por outro, e isto Kardec já afirmava: “Se algum dia a ciência provar que o Espiritismo está errado em determinado ponto, abandone este ponto, e fique com a ciência”.

Nós espíritas, devemos estar conscientes do progresso das novas informações espirituais que chegam, mas com cuidado para não substituirmos teorias ou conceitos já avançados e estabelecidos sobre base sólida, por ideias ilusórias ou imaginárias, que brotam da cabeça de um e de outro, sem embasamento, seja no campo da ciência humana, seja no campo da própria revelação da espiritualidade maior, lembrando as informações espirituais trazidas por médiuns como Chico Xavier.

Em termos de Movimento Espírita, a expansão da ideia espírita deve ser pensada de forma diferenciada. Não é conveniente imprimir ciência avançada em meio de pessoas incultas, não é conveniente levar conceitos puramente religiosos às assembleias encerradas no campo científico.

Para que o progresso se faça paulatinamente em todas as camadas da sociedade é necessário falar ao homem inculto da terra, falar da grandeza da espiritualidade usando os conceitos e ideias presentes em sua cultura objetivando explicar algo de superior, que em última instância, irá beneficiar a vida daquela comunidade em termos de evolução espiritual. Evolução que tenderá a se espalhar e beneficiar toda sociedade com o conhecimento espírita.

Para a camada da sociedade mais afim com o pensamento científico atual, seria conveniente utilizar os parâmetros da própria ciência, mostrando os pontos de ilusão, ou de práticas não tão científicas de concepção de mundo, uma vez que os sectários e dogmáticos tendem a rejeitar e anular ideias espirituais. Desta forma, caberá a nós espíritas, trazermos a ciência para o campo da espiritualidade, trabalho esse que as AMES (Associações Médicas Espíritas) vem realizando dentro de limites que infelizmente ainda são muito estreitos.

Quanto as Escolas de Aprendizes do Evangelho, alguns acreditam, de forma incoerente, que em 1951 o trabalho foi realizado e encerrado, como uma receita com começo, meio e fim. Mas o bom senso nos sugere sua adequação no tempo e para cada região geográfica, considerando a cultura local e fundamentalmente sua finalidade que é a transformação do ser materializado, tornando-nos seres mais espiritualizados. Enfim, num homem de bem, como nos chama a atenção Allan Kardec, no Evangelho Segundo o Espiritismo.

Expomos acima o pensamento de alguns amigos espirituais que têm nos orientado, os quais, semelhantemente a nós, realizam suas pesquisas, observam os Movimentos Espíritas, os trabalhos espirituais e os médiuns com o objetivo de verificação e posterior estabelecimento de parceria entre encarnados e desencarnados beneficiando a todos, do mais pequenino até o maior.

Espírito José Grosso - Por Jairo Avellar - Em 23.11.2014

 

Andas triste? 

Estas chateado com os rumos vividos em tua Casa Espírita? 

Companheiros de destaque têm se transformado negativamente, quando se encontram no exercício coletivo de suas atribuições?

Os cargos têm sindo disputados sob o braseiro das contendas? 

Por causa disso tem claudicado a amizade, a consideração, a cordialidade e o trato cristão? 

Estes comportamentos tem sido a geratriz de um sem número de rachaduras psicológicas nas estruturas administrativas de tua instituição? 

As idéias, as opiniões, os objetivos comuns têm resvalado nas disputas estéreis? 

Têm falseado no trato com as indecisões, perante as frequentes turbulências que permeiam os mais nobres esforços? 

Você tem andado chateado? 

Tens se mantido abatido, desanimado, desestimulado? 

Tens alimentado um estado de contrariedade constante? 

Tens se afastado de tudo, com o intuito de fugir desse redemoinho perigoso?

E em função disso você tem se distanciado de tuas tarefas? 

Em nome da paz tens evitado tuas responsabilidades? 

Tens te mantido recolhido ao teu cantinho das reclamações? 

Tens permanecido assentado sobre o muro das críticas?

Por vezes tens adormecido por vários dias sobre a paliçada da inércia?

Tens batido em retirada, fugido ligeiro, abdicando até do trabalho nobre?

Vens usando constantemente o manto do desculpismo?

Tens reclamado da incompreensão de todos? Tens criticado o burburinho desanimador das palavras mal ditas e dos ataques verbais? 

Tens reclamado da descrença que se abateu sobre ti, em função dos desacertos sentidos no âmago da Casa Espírita a que te vinculas?

Preocupante, pois a tua situação é das mais graves!...

Amigo fujas desse monturo desculpista.

Diga não a covardia que ora se abate sobre ti!... 

Comportando assim, estas demonstrando total desconhecimento da Doutrina que abraçastes, e dos princípios cristãos que a norteiam!... 

Estas mostrando-te totalmente despreparado para a compreensão das realidades ocultas, movimentadas por mentes hostis, e que buscam tenazmente jogar instituições, trabalhos e trabalhadores nobres na vala comum do derrotismo.

Hostes trevosas buscam a tua deserção plena, e já contam com a tua derrocada diante aos compromissos assumidos ainda na esfera espiritual.

Falanges hostis já dão como certo a tua falência, tudo uma questão de pouquíssimo tempo.

Lembra-te com urgência, de que a Casa Espírita é um dos pontos de encontro mais destacados para a reunião de desafetos, das almas em desalinho, das mentes adoentadas.

Reune em si, mentes sofridas, maceradas nos fracassos contumazes do ontem, reclamando tratamento severo, compreensão, entendimento e por vezes até misericórdia intensiva. 

Não te permitas acovardar perante aos desafios que te visitam, pois eles são emuladores ao teu próprio crescimento!...

Agindo assim, estas deixando de considerar as tuas proprias imperfeições, carências e necessidades mais imediatas. 

Estarás sendo movido como fantoche nas mãos das vaidades soturnas, e como mecanismo de defesa acoberta-te em pele de ovelha a disfarçar a tua própria volúpia, a reclamar nos refolhos mais profundos de tua alma por maiores espaços e poder.

Busca analizar-te mais profundamente, mais honestamente, pois somente assim, poderás recuperar a tua lucidez, e reconsiderar as tuas posturas.

Amigo, recolha-te com brevidade a tua insignificância, ocupando tão somente o espaço de tua indigência. 

Busca tomar consciência de tuas reais necessidades espirituais, e do teu estado de falência plena, necessitando de amparo institucional, trabalho, aprendizado e crescimento imediato. 

Assim erga-te com humildade, e em silencio tome o rumo decidido do trabalho misericórdioso.

Acione a tua disposição, colocando-te simplesmente como a enxada, o enxó ou a pá nas mãos do Cristo Deus.

Para que pelas mãos de Jesus, possas te transformar em ferramenta útil e digna do trabalho na seara do amor. 

Sejas humilde, e não imponhas nada, não faças exigências, e nem te dês a cobranças.

Irmão querido, lembra-te de que somos todos nós, ferramentas muito velhas, enferrujadas, sem corte, surradas e gastas, mas que nas mãos do Cristo de Deus, teremos as mais amplas possibilidades de recuperarmos a boa tempera. 

A Casa Espírita é terreno sagrado, onde sementes preciosas são lançadas diariamente, todas necessitando de tempo para germinar, crescer, consolidar suas raízes e erguer-se frondoso, dando flores e frutos.

Cada um frutificará ao seu tempo, cada um em seu espaço, ofertando tão somente o que possuem.

Não te fixes em exigências! 

Assim, agradeça a Jesus, pelo templo que te acolhe diariamente com amor, sem cobranças, e sem te exigir perfeição. 

Ser espírita, ser acolhido por uma Casa Espírita, poder desfrutar das luzes redentoras da Boa Nova, jamais foi oferta de privilégio a ninguém, mas sim uma grande responsabilidade para todos que ali se encontram. 

Afinal de contas o internamento compulsório não é recurso para os sãos. 

Todo processo de hospitalização, todos os recursos severos de tratamento, para que possam obter exito pleno, requerá do paciente o seu engajamento decidido à medicação, sem isso aconteça nada de positivo se produzirá. 

Paz e muitas alegrias.